Home   Adão Villaverde Projetos e Leis Agenda de Atividades   Notícias Reflexão Política Outros Artigos Publicações Galeria de Fotos Galeria de Áudio Galeria de Vídeo   Links Indicados Boletim Eletrônico Contato
Boa Noite! Sábado, 20 de Abril de 2019 - 19:45:01  
Outros Artigos

Voltar
Artigo
De Vargas a Lula: mudanças e transformações
10/04/2010 13:31

As transformações sociais, econômicas, políticas e culturais no período da “Era Lula” estão sendo tão rápidas e abrangentes que o pensamento sociológico e político brasileiro ainda não teve tempo hábil de refletir e analisar a dimensão destes avanços. Nem tirar as decorrências e projeções consistentes para desenhar o futuro.

Não é mera coincidência que os respeitados professores e intelectuais orgânicos de esquerda, Emir Sader e Marco Aurélio Garcia, no livro publicado recentemente “Brasil entre o Passado e o Futuro”, identifiquem pautas comuns no ensaio chamado “Brasil, de Getúlio a Lula”. Apontando elementos fundantes e similares destes momentos históricos, para sustentar o processo de superação do nosso modelo periférico e dependente no cenário mundial rumo a um projeto de Nação de novo tipo.
O momento atual de mudanças e transformações é diferenciado e resgata o enorme potencial do nosso país. Guardando as proporções históricas e de período, ele revela semelhanças com os anos 30, quando o país passou por enormes transformações. Mesmo que no seu desenrolar tenha revelado fortes elementos de continuidade e ruptura, mas que de qualquer maneira, mudaram a fisionomia do Brasil.
Foi na era Vargas que aquele país rural tornou-se urbano; aquele agrícola virou industrializado; aquele voltado ao exterior voltou-se sobre si; aquele Estado restrito às elites oligárquicas ousou pensar um Estado nacional com protagonismo popular. De lá até Lula transcorrerem décadas progressivas e regressivas, algumas com grandes contradições.
Inicialmente vivemos um período em que o Estado adotou, como norte de prioridade, o desenvolvimento econômico em bases nacionais e na consolidação dos direitos sociais e trabalhistas. Já em meados dos anos 50, o Estado voltou a distanciar-se deste caráter.
Nas décadas de 60 e 70 tivemos a ruptura democrática, com o golpe militar que combinava milagre econômico e repressão. Veio a redemocratização, tão importante, mas que não rompeu com as bases econômicas e sociais dos monopólios, alem, é claro, de ter patrocinando, mais uma vez, a velha e recorrente recomposição por cima das elites. Que usaram o colégio eleitoral para abrirem um período híbrido, de modo a conter os avanços populares e conduzir à chamada “democracia sem alma social”, sem desenvolvimento, com recordes negativos, principalmente como o país mais excludente e desigual em renda do mundo.
Foi no final do breve século XX, que autorizou-se o reino acrítico do caminho único, que FHC sentenciou: “Viramos a página do Getulismo” e implementou sua fracassada obra de estagnação, de falência e de submissão de nosso país. O grande “príncipe da sociologia” autor da “teoria da Dependência”, infelizmente também autorizava e implementava , a dependência sem nenhuma teoria, mandando esqueceram o que havia escrito.
Depois de duas décadas de ditadura e uma de neoliberalismo especulativo desregulado, descortinamos a primeira década do século XXI, no qual pela primeira vez, depois dos governos de Getúlio Vargas, dois mandatos consecutivos dirigidos por forças democráticas e populares, abrem um novo período de enormes mudanças e transformações no país. Que poderão significar, ou uma pequena janela em um largo período conservador e muitas vezes autoritário, se não o reelegermos; ou tornar-se uma relevante ponte de ruptura definitiva com o modelo herdado, caso vitorioso em outubro, na perspectiva de um projeto nacional justo, democrático e soberano.
Quem sabe estejamos retomando, no fim desta primeira década do terceiro milênio, em meio à maior crise do modelo neoliberal especulativo desregulado, a noção de que ainda é possível construir um Estado-Nação, em plena era da mundialização das relações em sociedade, sejam elas econômicas, sociais, culturais e políticas.
Fazendo este país retomar o crescimento, se desenvolver, gerar emprego, renda, com distribuição e incluir com base em uma nítida afirmação da recuperação das funções públicas de Estado e aprofundando a democracia.
É neste cenário que estamos frente a dois enormes desafios:
-reeleger o projeto nacional com uma mulher a sua frente pela primeira vez na história deste país, assim como elegemos um metalúrgico;
-retomar o caminho das vitórias no Rio Grande do Sul , para sintonizar o Estado gaúcho com o Brasil.

Autor: Adão Villavede
Veja outros artigos com o tema Artigo.
 
 
Gabinete do Deputado Estadual Adão Villaverde
Praça Marechal Deodoro nº 101 - Gab. 308 - Centro - Porto Alegre/RS - Cep 90010-300
Fone: (51) 3210.1913 - Fax: (51) 3210.1910
E-mail: villaverde@al.rs.gov.br / twitter.com/adaovillaverde