Home   Adão Villaverde Projetos e Leis Agenda de Atividades   Notícias Reflexão Política Outros Artigos Publicações Galeria de Fotos Galeria de Áudio Galeria de Vídeo   Links Indicados Boletim Eletrônico Contato
Boa Noite! Sábado, 20 de Abril de 2019 - 19:09:19  
Outros Artigos

Voltar
Artigo
Evitando o desastre eletrônico
29/06/2010 13:11

É extremamente preocupante a condição do Brasil como um dos países com maior índice de produção do chamado lixo eletrônico entre as nações em desenvolvimento. Segundo ranking do Programa para o Meio Ambiente (Pnuma) da ONU, o Brasil abandona 96,8 mil toneladas só de computadores por ano. O volume só é inferior ao da China, com 300 mil toneladas. Mas, per capita, o Brasil é o líder. Por ano, cada brasileiro joga fora o equivalente a 0,5 quilo desse lixo eletrônico. Na China, com uma população bem maior, a taxa per capita é de 0,23 quilo, contra 0,1 quilo na Índia.

A entidade constatou ainda que nossa legislação específica é insuficiente. E destacou que os produtores de equipamentos eletroeletrônicos não se preocupam com a destinação dos aparelhos após entregarem ao consumidor. Ou seja, o Brasil não tem estratégia para lidar com o fenômeno e o tema sequer é prioridade para a indústria. O país é também a nação emergente que mais toneladas de geladeiras abandona a cada ano por pessoa e um dos líderes em descarte de celulares, TVs e impressoras.

Justamente por isso, é urgente o alerta para os riscos de um grave desastre que certamente teremos se não regrarmos adequadamente o descarte dos equipamentos eletroeletrônicos de utilização cada vez mais intensa no nosso cotidiano doméstico, de trabalho e de estudos, e que contém materiais pesados. Estas substâncias nocivas, como o chumbo, que podem se infiltrar no subsolo, contaminando lençóis freáticos e poluindo as águas, são ameaças danosas à saúde e à própria vida humana.

Em busca de saídas concretas e rápidas, estimulamos este debate em um seminário sobre lixo eletrônico, realizado na Assembleia Legislativa gaúcha nesta semana, propondo a necessidade da elaboração de uma política pública participativa. A ideia é combinar uma nova e consistente legislação às experiências bem sucedidas que existem em nível internacional, mas também em âmbito local, de reciclagem e reaproveitamento de equipamentos ao quais a sociedade brasileira passou a ter acesso ampliado, com o crescimento econômico que levou ao maior consumo doméstico, com uma classe média cada vez mais forte e estabilidade econômica para garantir empréstimos para a compra de eletroeletrônicos.

Temos que nos antecipar e evitar o desastre ambiental anunciado, praticar o desenvolvimento sustentável e aproveitar para gerar emprego e renda e, ainda, incluir digital e socialmente.

*Artigo publicado no Jornal ZH de 28/06/2010

Autor: Adão Villaverde
Veja outros artigos com o tema Artigo.
 
 
Gabinete do Deputado Estadual Adão Villaverde
Praça Marechal Deodoro nº 101 - Gab. 308 - Centro - Porto Alegre/RS - Cep 90010-300
Fone: (51) 3210.1913 - Fax: (51) 3210.1910
E-mail: villaverde@al.rs.gov.br / twitter.com/adaovillaverde