Home   Adão Villaverde Projetos e Leis Agenda de Atividades   Notícias Reflexão Política Outros Artigos Publicações Galeria de Fotos Galeria de Áudio Galeria de Vídeo   Links Indicados Boletim Eletrônico Contato
Bom Dia! Domingo, 19 de Maio de 2019 - 07:33:43  
Reflexão Política

Voltar
Artigo
A máscara e a essência, uma vertente para o fascismo
29/12/2015 10:33

O episódio de "jovens" cercando Chico Buarque e seus amigos, em plena rua, no Rio de Janeiro, para afrontá- los e jogar imagens nas redes para constrangê-los, não foi um fato isolado e espontâneo. Está virando uma triste e assustadora regra na sociedade brasileira. De modo geral, informou-se acerca do acontecimento: "Chico bate boca na rua e é insultado por defender o PT". Quer dizer que se for para insultar o PT vale agredir ? Não é necessário nenhum juízo crítico ao método?

Tirando a máscara e examinando a essência do ocorrido, não há nada de modernidade apontada, falaciosamente, como inovadoras formas de lutas da "nova geração". É só um surrado e inaceitável método fascista que parte da premissa de "constranger e insultar o interlocutor para que ele fique se explicando".

Ignora-se o cerne: o cidadão Chico Buarque é um patrimônio cultural do Brasil e do mundo, com mais de 70 anos e que, num momento de lazer com amigos, é suprimido de sua privacidade, passando a ser ofendido por um bando de provocadores. E isto merece um registro como fato normal. Nestes tempos ditos "modernos" foi eliminada a palavra indignação? Onde está a alardeada tolerância que muitos garantem que professam nas suas relações em sociedade? É apenas tática e seletiva?

Mais do que uma vertente para o fascismo, é a alma da intolerância, da violência e da agressão como forma de disputa política. A história registra o quanto estes métodos foram utilizados para chegar ao poder por nazismo, fascismo, franquismo, salazarismo...

Uma pergunta obrigatória: se o tema latente é a corrupção, porque continuam ao lado de Cunha? E os escândalos do metrô de São Paulo? Do aeroporto do Aécio Neves? E da privataria tucana?


Devemos repudiar e denunciar este hábito anti-democrático, dando as respostas sociais, políticas e jurídico-legais necessárias, fundamentalmente no âmbito do Estado Democrático de Direito Constitucional. Privilegiemos o argumento e o conteúdo, defendendo um grande legado das melhores tradições do Iluminismo e da Revolução Francesa mas, sobretudo, reafirmando: não ao fascismo e seus métodos, principalmente suas práticas terroristas!

Adão Villaverde é professor, engenheiro, deputado estadual (PT/RS)

Autor: Adão Villaverde
Veja outros artigos com o tema Artigo.
 
 
Gabinete do Deputado Estadual Adão Villaverde
Praça Marechal Deodoro nº 101 - Gab. 308 - Centro - Porto Alegre/RS - Cep 90010-300
Fone: (51) 3210.1913 - Fax: (51) 3210.1910
E-mail: villaverde@al.rs.gov.br / twitter.com/adaovillaverde