Home   Adão Villaverde Projetos e Leis Agenda de Atividades   Notícias Reflexão Política Outros Artigos Publicações Galeria de Fotos Galeria de Áudio Galeria de Vídeo   Links Indicados Boletim Eletrônico Contato
Boa Noite! Sábado, 15 de Dezembro de 2018 - 21:50:41  
Reflexão Política

Voltar
Artigo
O nome certo do golpe de 2016
27/02/2018 17:02

Para muitos céticos ou mal intencionados, a forte assertiva inicial do título “É Golpe, sim! – Terceiro turno sem urnas, o ataque aos direitos sociais e o entreguismo” (Editora Sulina), que lançamos durante debates em meados de 2016 e apresentamos, formalmente, na edição Feira do Livro de Porto Alegre daquele ano, parecia somente uma afirmação político-doutrinária. Ou uma mera adjetivação, mais útil aos embates eleitorais ou disputas ideológicas do que ao registro histórico que marca uma época tão nebulosa como a que vivenciamos desde a quarta vitória eleitoral da esquerda nas urnas em 2014.

A contundência vocabular do título, reafirmado no conteúdo da publicação, no entanto, era imprescindível para dimensionar a brutalidade da devastadora ruptura praticada contra a nossa democracia, com o impedimento de uma presidenta legitimamente eleita, sem qualquer crime de responsabilidade.

Foi necessário pouco tempo para serem desconstruídas as caracterizações parciais e sem isenção, enunciadas pelos porta-vozes das ideias neoliberais rasas e desprovidas de conteúdo, do conglomerado oposicionista que promoveu o impeachment de Dilma Rousseff e repercutidas, à exaustão, com fervor fundamentalista, pela mídia comercial na defesa de uma insustentável condenação “pelo conjunto da obra”, omitindo toda a sabotagem do presidiário Eduardo Cunha e do traidor Temer.

Rejeitada por não se enquadrar na definição corriqueira de um ataque sem armas praticado contra o governo eleito por mais 54 milhões de votantes, a palavra “Golpe” ajustou-se ao conceito “moderno”, explicitada, por exemplo, pela expressão “golpe brando”, como batizou o Prêmio Nobel da Paz, o argentino Adolfo Perez Esquivel, em pleno Congresso Brasileiro, ainda em 2016, lembrando bravatas similares em Honduras e no Paraguai.

Não tínhamos a menor dúvida da violência continuada que acompanharia o processo de violação da Constituição, de atentado ao Estado Democrático Constitucional de Direito, de rapinagem das conquistas dos trabalhadores e de desonra da soberania da nação.

Agora, além de incontáveis artigos publicados em veículos e sites, surgem estudos e iniciativas acadêmicas que reconhecem o termo “Golpe de 2016” inserindo-o, definitivamente, no cadastro oficial da História do Brasil.

Há universidades – como a de Brasília e da Unicamp – que criaram disciplinas para abordar e analisar o “Golpe de 2016”. Embora facultativa, a matéria da UnB esgotou as vagas e já tem 40 candidatos em fila de espera. A iniciativa do professor Luís Felipe Miguel, do Instituto de Ciência Política da universidade, vale quatro créditos acadêmicos. São três os objetivos da matéria. O primeiro é “Entender os elementos de fragilidade do sistema político brasileiro que permitiram a ruptura democrática de maio e agosto de 2016, com a deposição da presidenta Dilma Rousseff”.

O segundo: “Analisar o governo presidido por Michel Temer e investigar o que sua agenda de retrocesso nos direitos e restrição às liberdades diz sobre a relação entre as desigualdades sociais e o sistema político no Brasil”.

O terceiro: “Perscrutar os desdobramentos da crise em curso e as possibilidades de reforço da resistência popular e de restabelecimento do Estado de Direito e da democracia política nacional”.

Na paulista Campinas, o Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) da Unicamp instituiu uma disciplina com o mesmo nome daquela que será ministrada pelo professor Luís Felipe Miguel, da Universidade de Brasília.

Foi também editada a Enciclopédia do Golpe (Editora Praxis) que, já com dois volumes, esmiúça a cronologia da tramoia, que aglutinou a traição de governantes, parlamentares, empresários, integrantes do Judiciário e setores midiáticos.

O primeiro volume foi lançado em novembro contendo diversos artigos e diferentes abordagens de como integrantes do sistema de Justiça, da República de Curitiba às cortes superiores, serviram de alavanca para a deposição da presidenta Dilma. E para colocar em seu lugar executores de planos de governo que a população brasileira rejeitou sucessivamente nas urnas em todas as eleições presidenciais deste século.

O segundo volume tem como subtítulo O Papel da Mídia, e traz em artigos, ou “verbetes”, métodos, técnicas e estratégias que fizeram dos donos dos meios de comunicação um dos alicerces fundamentais do golpe de 2016.

No RS, no livro “Psicologia, comunicação e pós-verdade” (Editora Abrapso), organizado pelos professores Pedrinho Guareschi, Denise Amon e André Guerra, no capítulo 10, a autora Camila Bengo investiga “O impeachment da presidenta eleita Dilma Rousseff e a pós- verdade” e cita o próprio livro “É Golpe, sim!” como referência bibliográfica que corrobora sua convicção na natureza golpista dos acontecimentos. A pós- verdade é característica de um fenômeno atual, no qual os apelos às emoções e às crenças têm maior influência na formação da opinião pública dos que fatos concretos.

Outro golpe brasileiro, iniciado em abril de 1964, reunindo militares, civis e a imprensa de sempre, para acabar com a democracia, passou todos os 21 anos da ditadura sendo tratado, falaciosamente, como “revolução” ou “redentora”. Este evento de 2016, pelo menos, já nasceu desmascarado: é golpe, sim!

Autor: Adão Villaverde
Veja outros artigos com o tema Artigo.
 
 
Gabinete do Deputado Estadual Adão Villaverde
Praça Marechal Deodoro nº 101 - Gab. 308 - Centro - Porto Alegre/RS - Cep 90010-300
Fone: (51) 3210.1913 - Fax: (51) 3210.1910
E-mail: villaverde@al.rs.gov.br / twitter.com/adaovillaverde