Home   Adão Villaverde Projetos e Leis Agenda de Atividades   Notícias Reflexão Política Outros Artigos Publicações Galeria de Fotos Galeria de Áudio Galeria de Vídeo   Links Indicados Boletim Eletrônico Contato
Bom Dia! Segunda-feira, 23 de Julho de 2018 - 08:41:38  
Reflexão Política

Voltar
Artigo
Protecionismo com visão estratégica
20/03/2018 10:04

Olhando ao redor, sobretudo às economias e à industrialização nos países centrais, vemos que algumas nações só chegaram ao que chamam de “livre comércio” recorrendo ao protecionismo como instrumento de preservação de sua capacidade e inteligência local e às suas empresas públicas, como papel indutor e mediador do desenvolvimento, articuladas com o setor privado.

Basta ver o que fazem Japão, Alemanha, Estados Unidos, Suécia, Coreia do Sul nos últimos 40 anos e outros países. Todos usam medidas protetivas, subsídio estatal, controle sobre investimentos estrangeiros, fiscalização do capital volátil e o apoio às empresas privadas locais, como estratégias de crescimento, desenvolvimento e inserção soberana no processo de mundialização.

No nosso País, em nome de um pseudoliberalismo, condena-se a proteção das empresas locais. O que é falso e, ao mesmo tempo, entreguista, e leva à maior dependência e à mais pura subordinação. E, infelizmente, o Brasil vem apresentando, de forma acelerada, no último período, um processo brutal de desindustrialização, que parece não ter precedentes. Isto deve-se menos às razões conjunturais de nossas crises econômicas cíclicas e muito mais ao modelo perseguido desde a última década do século XX.

Ainda que a “era Lula” tenha sido uma tentativa de interrupção deste processo, predominam os conceitos do chamado Consenso de Washington. O mais triste é que tudo isso tem rebatimento local, no RS. É o que denuncia, por exemplo, o presidente demissionário da extinta Cientec, sobre a renúncia da nossa inteligência e a “desgauchização” do Estado: “isto trará prejuízos às nossas empresas, pois existem serviços que apenas a fundação oferece, como laboratórios credenciados e, em alguns casos, únicos no Brasil”.

Enquanto aqui acenam com a cantilena do economicismo entreguista tecnocrático do rentismo neoliberal, que só amplia nossa dependência, para tristeza brasileira, os chamados países centrais fazem exatamente o inverso.

Autor: Adão Villaverde
Veja outros artigos com o tema Artigo.
 
 
Gabinete do Deputado Estadual Adão Villaverde
Praça Marechal Deodoro nº 101 - Gab. 308 - Centro - Porto Alegre/RS - Cep 90010-300
Fone: (51) 3210.1913 - Fax: (51) 3210.1910
E-mail: villaverde@al.rs.gov.br / twitter.com/adaovillaverde