Home   Adão Villaverde Projetos e Leis Agenda de Atividades   Notícias Reflexão Política Outros Artigos Publicações Galeria de Fotos Galeria de Áudio Galeria de Vídeo   Links Indicados Boletim Eletrônico Contato
Bom Dia! Domingo, 24 de Junho de 2018 - 06:15:58  
Reflexão Política

Voltar
Artigo
Vendem produtos in natura e compram alta tecnologia
06/06/2018 15:45

Respeitadas as proporções temporais e históricas, os “pseudo-moderninhos” neoliberais, rasos, toscos e tardios de hoje, lembram nossos primitivos ancestrais, que ignoravam as astúcias mercantis das negociações dos navegantes de além-mar.

Os proprietários destas terras brasileiras trocavam, com os colonizadores portugueses, seu valioso ouro e demais metais preciosos por badulaques, como luzidios espelhos, que só agregavam um ralo valor tecnológico, ou seja, um singelo recorte de moldura do vidro que reflete imagens.

Não é muito diferente do que fazem, nos dias de hoje, os que entregam nossas commodities, produtos in natura, por um baixo preço para, depois, recomprá-los lá de fora com valor agregado muitas vezes ampliado.

Nós vivemos em plena era do conhecimento, da tecnologia, da inovação, na qual os avanços científico-técnicos recorrentes e acelerados mudam o mundo de forma absolutamente extraordinária. Mas, infelizmente, o nosso país vive e convive, mesmo em meio a estes avanços, com um inaceitável déficit tecnológico. Ou seja, importamos muito mais produtos intensivos em tecnologia do que exportamos.

Enquanto este tema de agregação de valor sobre produtos e processos move o mercado e o consumo mundial, nós, cada vez mais, vamos embarcando na visão colonial e submissa de vender matéria prima sem beneficiamento para, depois, adquirir com altos custos, produtos com alta tecnologia embutida. E, pior, achando que isto é “se integrar no mundo globalizado”.

Nosso país tem a “síndrome da dependência”. Aliás, tivemos um presidente da República que se avocou a paternidade da “teoria da dependência” e, quando chegou no governo, mandou rasgarem o que escrevera e “implementou a dependência sem nenhuma teoria”. É por isso, infelizmente, que seguimos com desequilíbrio em nossa balança tecnológica, com um déficit que ultrapassa os U$ 10 bilhões.

É justamente esta visão que também informa a desastrosa estratégia do atual governo golpista e entreguista, no que concerne à política dos combustíveis.

No momento em que país atingiu a suficiência em petróleo, passou a vendê-lo sem processar para, depois, importar combustível a preços astronômicos. Na estratégia deste (des) governo, que jogou a Constituição no ralo, a gasolina e o diesel já correspondem a 20% de todos os produtos americanos importados pelo Brasil em 2017. O que fez com que a Petrobras perdesse espaço no mercado doméstico de combustíveis para suas concorrentes internacionais levando, assim, o consumidor pagar muito mais caro pelo produto.

A alta na importação desequilibra cada vez mais nossa balança comercial e fragiliza as operações de nossas refinarias, causando evidentemente um enorme desemprego. É claro que quem é prejudicado com tudo isto é a Nação e o povo, como comprova a paralisação dos caminhoneiros e suas consequências.

Esta visão submissa e subordinada aparece, muito claramente, na recente crise dos combustíveis. A política de preços foi desastrosa pois queriam mesmo era favorecer acionistas internacionais, vender ativos e implementar sua visão de rendição ao rentismo.

Em síntese, apesar das elites da chamada “Casa Grande” sempre posarem como verdadeiros globalizados ou pretensos moderno como se auto-intitulam, eles assemelham-se mais àqueles nossos primitivos e colonizados antepassados.

Uma vez que o que sabem mesmo é ser uma espécie dos “bestas alegres” do século XXI, especialistas em vendas de commodities e campeões mundiais em importação de alta tecnologia.

Autor: Adão Villaverde
Veja outros artigos com o tema Artigo.
 
 
Gabinete do Deputado Estadual Adão Villaverde
Praça Marechal Deodoro nº 101 - Gab. 308 - Centro - Porto Alegre/RS - Cep 90010-300
Fone: (51) 3210.1913 - Fax: (51) 3210.1910
E-mail: villaverde@al.rs.gov.br / twitter.com/adaovillaverde