Home   Adão Villaverde Projetos e Leis Agenda de Atividades   Notícias Reflexão Política Outros Artigos Publicações Galeria de Fotos Galeria de Áudio Galeria de Vídeo   Links Indicados Boletim Eletrônico Contato
Bom Dia! Sábado, 18 de Agosto de 2018 - 09:17:23  
Leis e Projetos

Voltar
Lei Villaverde
Sobre enriquecimento ilícito no poder público
--08/03/2012 12:07--

O projeto de lei nº 291/2007 sobre o controle do enriquecimento ilícito de agente público, de autoria do deputado, se transformou em lei estadual em junho de 2008 com o número 12.980. Conhecida como "Lei Villaverde", a legislação foi regulamentada por decreto do governador Tarso Genro no âmbito do Poder Executivo.

O documento foi assinado no dia 16/12/2011, no Palácio Piratini, durante o lançamento do conjunto de medidas do Pacto Republicano pela Promoção dos Direitos Humanos Fundamentais e Enfrentamento à Corrupção. A lei que se inseriu no Pacto de medidas anticorrupção, é considerada um poderoso instrumento de Estado, com seu objetivo contribuir para tornar a função pública mais transparente no RS e dispor aos cidadãos e representados maior controle sobre seus agentes públicos e representantes. Pode-se dizer que a partir dela, o Estado dispõe de poderoso instrumento para combater a corrupção e preservar a transparência do serviço público.

Aprovada pela Assembleia Legislativa, de forma unânime na sessão plenária do dia 13 de maio de 2008, e regulamentada em seguida pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE), a Lei Villaverde passou a controlar o enriquecimento ilícito de gestor público e a evolução patrimonial deste no exercício de cargo ou emprego público estadual.

A lei 12.980 propõe, primeiramente, que os ocupantes de cargos públicos que ordenam despesas apresentem declaração de bens, anualmente, junto ao TCE - e não mais só para os órgãos onde atuam.

Com a lei o controle dos ordenadores de despesa será anual, quando será verificada a evolução patrimonial. "Não vai ser apenas uma mera entrega formal da informação sobre renda, mas vai ser verificada a evolução patrimonial para ver se é condizente com o patrimônio anterior mais o que representa o salário ou proventos do período do exercício”, relata o deputado.

Villaverde comenta o que esse decreto significa para a Casa Legislativa. “O fato de ter sido produzido pela ALRS, de ter tido um amplo debate com o Tribunal de Contas, Tribunal de Justiça, Ministério Público e um conjunto de entidades da sociedade civil, coroa o esforço e o desprendimento do nosso trabalho. É um avanço no que existia em termos de sistema de controle até agora”, pondera. "Revelando uma clara inflexão dos novos tempos, o gestor não deve ser controlado apenas na sua condição pública, mas também na esfera privada. Num claro sentido de prevenção e transparência, não implicando, de forma alguma, desvendar a privacidade de patrimônios individuais", avalia.

Inspirada na experiência
O instrumento busca, também, sistematizar a legislação existente em níveis nacional e estadual, com mais rigor e controle. A Lei surgiu inspirada na experiência de Villaverde como secretário de Estado no governo Olívio Dutra (1999/2002), nas pastas de Ciência e Tecnologia e da Coordenação e Planejamento. Nessa época, atendendo à exigência administrativa e meramente burocrática, ao assumir a titularidade da SC&T, em janeiro de 99, Villaverde encaminhou sua declaração de bens ao departamento jurídico da própria secretaria. Ou seja, entregou a sua declaração para si mesmo, evidenciando a inexistência de efetivo controle sobre o gestor público.

Aprimoramento
Em 9 de agosto de 2011, a Assembleia Legislativa aprovou um substitutivo que aprimorou a lei, esclarecendo a intenção inicial da legislação, diante da leitura equivocada, feita em alguns órgãos públicos, como a da necessidade de apresentação anual, por parte de todos os servidores, da declaração de Imposto de Renda.

Com o aperfeiçoamento, fica definitivamente claro quem são os agentes públicos obrigados a apresentar o documento: apenas os gestores e ordenadores de despesas. São eles: governador, vice-governador e secretários de Estado; deputados estaduais, membros da magistratura estadual, do Tribunal de Contas e do Ministério Público Estadual; procuradores do Estado e defensores públicos; delegados de polícia e oficiais da Brigada Militar, diretores e presidentes de autarquias, empresas públicas, fundações, sociedades de economia mista e de subsidiárias destas integradas na administração indireta estadual; superintendente e diretor de órgão central de compras; ordenadores de despesas; auditores públicos externos do Tribunal de Contas do Estado; agentes fiscais do Tesouro do Estado e membros de comissões permanentes de licitação.
Também está prevista na Lei a possibilidade de os Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, o Ministério Público Estadual, a Defensoria Pública e o Tribunal de Contas do Estado, mediante ato próprio, incluírem no rol da obrigatoriedade da apresentação do IR outros agentes públicos, conforme as peculiaridades de suas estruturas administrativas internas.

A Lei considera como sinais de enriquecimento ilícito a posse, a propriedade de bens ou despesas que revelem gastos incompatíveis com o patrimônio e a remuneração do agente público. Entre os avanços apresentados em 2008, quando da aprovação da matéria, está a definição de bens representativos de sinais aparentes de enriquecimento ilícito, como iates, aeronaves, animais de raça, automóveis, imóveis e outros bens que demandem gastos para sua utilização, guarda e manutenção.
 
 
Gabinete do Deputado Estadual Adão Villaverde
Praça Marechal Deodoro nº 101 - Gab. 308 - Centro - Porto Alegre/RS - Cep 90010-300
Fone: (51) 3210.1913 - Fax: (51) 3210.1910
E-mail: villaverde@al.rs.gov.br / twitter.com/adaovillaverde